Mochileza

Mochileza

Roteiros e viagens de mochila sem sufoco

Tag: praias

O que fazer em Pipa: praias, gastronomia e muito mais

Você já leu aqui no Mochileza como planejar a sua viagem a Pipa. Como chegar, quando ir e outras informações fundamentais antes de embarcar. Agora é hora de conhecer a…

Você já leu aqui no Mochileza como planejar a sua viagem a Pipa. Como chegar, quando ir e outras informações fundamentais antes de embarcar. Agora é hora de conhecer a região e saber quais as principais praias e atrações.

Quando chegar ao Rio Grande do Norte, tem uma coisa curiosa que você vai descobrir: não existe uma Praia de Pipa propriamente dita. O nome internacionalmente conhecido é o do vilarejo pertencente ao município de Tibau do Sul, a 85 quilômetros de Natal.

Este trecho do litoral potiguar tem cerca de 20 quilômetros de atrações. Além das praias, Pipa tem trilhas, falésias e santuários ecológicos. É muita coisa para ver e fazer! Dá para ir várias vezes sem enjoar. Confira os principais atrativos e programe os detalhes da sua viagem!

Praia do Centro

É a praia de mais fácil acesso em Pipa. Como o nome denuncia, ela fica no centro do vilarejo, bem junto da rua principal (a avenida Baía dos Golfinhos). Dá para chegar de carro também, já que há estacionamentos próximos.

Na Praia do Centro, o mar não tem ondas e a água forma piscinas naturais na maré baixa. Há muitos restaurantes à beira-mar, com mesas e cadeiras na areia. Por isso e pela facilidade do acesso, a praia costuma ficar lotada em feriados prolongados.

 

Praia do Amor

Foto: Leonardo Aquino

 

Se você gosta de um pouco mais de privacidade, a Praia do Amor é onde Pipa começa a falar a sua língua. O acesso é mais complicado. É preciso descer pelas escadarias em alguns trechos das falésias. Outra opção é uma caminhada de cerca de 10 minutos a partir da Praia do Centro. Por isso, não é muito indicada para pessoas com dificuldade de locomoção ou que viajam com crianças de colo.

O mar é um pouco mais agitado e forma ondas que fazem da Praia do Amor um bom point para os surfistas. Há algumas barracas que servem petiscos e bebidas. Mas a areia não está tão tomada pelos barraqueiros quanto na Praia do Centro.

 

Baía dos Golfinhos

É onde Pipa encontra Cancún, guardadas as devidas proporções. Não é que seja possível tirar fotos dando um beijo nos golfinhos como no balneário mexicano, mas eles nadam bem perto da orla. Como a água é calminha, é um ótimo lugar para um banho de mar.

O acesso é a pé, a partir da Praia do Centro. A caminhada é de cerca de 15 minutos. Mas atenção: fique de olho na tabela das marés. Só dá para chegar à Baía dos Golfinhos quando a maré estiver seca ou secando.

 

Praia do Madeiro

Foto: Leonardo Aquino

 

É uma das praias mais badaladas da região, ainda que o acesso não seja tão fácil. Fica a 4 quilômetros do centro de Pipa e ainda tem uma recepção nada convidativa. É preciso descer uma escadaria de 170 degraus a partir do Bar do Jegue. Ou seja: bem complicada para quem tem dificuldades de locomoção ou é portador de deficiência.

Praia de Pipa, Praia do Madeiro

Acesso à Praia do Madeiro, em Pipa. Vai encarar? Foto: Leonardo Aquino

 

A infraestrutura é uma das melhores de Pipa, com várias barracas e restaurantes. Há até um hotel com um acesso particular à praia (o Village Natureza). O mar é calmo, mas tem ondas num tamanho suficiente para surfar. Há inclusive instrutores que dão aulas de surfe na Praia do Madeiro para quem quiser ser Gabriel Medina por um dia.

 

Praia da Cacimbinha

Mirante da Cacimbinha. Foto: Leonardo Aquino

 

É o ponto onde você vai tirar uma das fotos mais bonitas da sua viagem à Praia da Pipa. Na estrada, à beira da falésia, o Mirante da Cacimbinha tem uma vista apaixonante. Do outro lado da estrada, há dunas de pequeno porte. Chegar até a praia propriamente dita é que são elas. É preciso descer pela falésia. O hotel Pipa Privilege tem uma escadaria que também dá acesso.

A Praia da Cacimbinha não é muito amigável para o banho de mar. Mas para quem pratica esportes de aventura, é altamente convidativa. Por causa dos ventos e das ondas, é muito procurada por adeptos do kitesurf. No topo da falésia, perto da estrada, também é possível fazer voos de parapente.

 

Tibau do Sul (Praia do Giz e Lagoa Guaraíras)

Barracas na Praia do Giz. Foto: Leonardo Aquino

 

O município-sede de Pipa também tem seus atrativos, seja de água doce ou de água salgada. Na Lagoa Guaraíras, são feitos passeios de barco em que os golfinhos são vistos de perto e onde se contempla o pôr-do-sol mais bonito da região (pelo menos é o que se costuma dizer). Também é de lá que sai uma balsa até Natal. O ponto de embarque e desembarque do outro lado é a praia de Barra do Tabatinga, em Nísia Floresta.

Praia do Giz. Foto: Leonardo Aquino

 

A água da lagoa encontra com a do mar na Praia do Giz. É uma ótima praia para ir com crianças, já que vários laguinhos são formados quando a maré seca. Além disso, de todas as praias da região, é a que tem a melhor acessibilidade. A partir do momento em que você desce do carro ou da van, é tudo plano. O local também é bem servido de barracas de praia e restaurantes.

 

Outras praias

A região também tem a Praia das Minas (deserta e de acesso difícil), a de Sibaúma (acesso fácil e preços mais em conta), Barra do Cunhaú e Baía Formosa.

 

Gastronomia

A avenida Baía dos Golfinhos e suas transversais concentram muitos restaurantes. É um ótimo passeio noturno em Pipa. Foto: Leonardo Aquino

 

Pipa concentra em suas ruas estreitas e ladeiras íngremes uma variedade gastronômica que deixaria muitas cidades com inveja. Num raio de menos de um quilômetro, estão concentrados restaurantes de culinária italiana, espanhola, japonesa, argentina, tailandesa e muito mais. Isso sem contar, claro, na comida de praia: peixe e frutos do mar. Juro a você: em Pipa, gosto mais da gastronomia do que das praias. Pode me julgar!

Em geral os preços são de médios para caros. Você vai encontrar os maiores ágios em restaurantes com um perfil mais genérico ou praiano. Na nossa última viagem a Pipa, em março de 2018, chegamos a ver um que cobrava mais de 100 reais por um strogonoff para duas pessoas. Um absurdo!

O curioso é que alguns dos restaurantes mais sofisticados cobram preços mais justos. Não que sejam pratos exatamente baratos. Mas são estabelecimentos que passam tranquilamente no teste da pergunta: essa refeição custaria o mesmo preço numa cidade não-turística?

Sendo assim, aqui vão as nossas principais dicas de onde comer em Pipa.

Dall’Italiano

Foto: Leonardo Aquino

 

Uma cantina italiana puro sangue em pleno litoral do Nordeste brasileiro. Os ingredientes são rigorosamente escolhidos e vindos diretamente da Itália. As pizzas (são cerca de 70 sabores) são no padrão original, tanto no tamanho quanto na espessura da massa. E a variedade das massas também é bem ampla, com a presença de algumas massas difíceis de encontrar por aí, como o bigoli negro.

O Dall’Italiano fica na rua principal de Pipa, a avenida Baía dos Golfinhos. Quase sempre está lotado. Portanto, não vai ser surpreendente se você precisar encarar uma fila de espera. Abre apenas para o jantar.

 

Aprecíe

Foto: Leonardo Aquino

 

Cozinha contemporânea e cardápio de bistrô. É a forma mais resumida de definir o Aprecíe. Ele tem referências de nouvelle cuisine e das gastronomias oriental e mediterrânea. O restaurante é um dos mais jovens de Pipa. Foi criado em 2015 pelo chef potiguar Ricardo Rudney, que já tinha experiência de montar o cardápio de outros restaurantes e pousadas em Pipa.

Os preços são justos para um restaurante dessa categoria. A maioria dos pratos principais fica entre 40 e 50 reais (valores de março de 2018). O espaço é pequeno, com capacidade para cerca de 30 pessoas. Em dias mais concorridos, é melhor chegar cedo ou reservar.

 

Nativos Bar

Foto: Leonardo Aquino

 

Um lugar classudo e sofisticado especializado em drinks. Não só os clássicos como caipirinhas, mojitos e daiquiris. Mas também coquetéis autorais e outros com combinações tão improváveis quanto deliciosas. Foi lá que aprendi que dá pra fazer caipirosca de melancia ou de banana – e o resultado é incrível! O ambiente também é muito bonito e agradável. Há algumas mesas que têm almofadas no lugar das cadeiras, para quem quiser se esparramar confortavelmente.

Foto: Leonardo Aquino

 

Mas é preciso dar alguns alertas. O Nativos não aceita cartões, nem de crédito nem de débito. E o bar também não tem cozinha. No cardápio, há alguns petiscos estilo finger food. Ou seja, é melhor ir até lá no aquecimento da sua noite ou no “after”. O Nativos não tem site nem página no Facebook. Fica na avenida Baía dos Golfinhos, 748.

 

Real de 14

Depois que for à Praia da Pipa pela primeira vez, vai perceber que uma caminhada na vila não é a mesma sem um sorvete da Real de 14. A sorveteria foi criada por argentinos e hoje é administrada por portugueses. A mudança na gestão não mexeu na qualidade dos sorvetes: cremosos, deliciosos e de sabores muito variados.

São mais de 50 opções, das tradicionais às criações próprias. As frutas regionais têm lugar cativo nos freezers. Há também sorvetes inspirados em bebidas alcoólicas (whisky e caipirinha), misturas tropicais (coco com gengibre, por exemplo) e os funcionais (feitos com biomassa de banana). Todos produzidos ali mesmo, em Pipa. A Real de 14 também tem uma loja em Natal, em Ponta Negra.

 

Terra Nostra / Padaria Central

Gastronomia, Praia da Pipa

Carpaccio de polvo no Terra Nostra, um dos bons restaurantes de Pipa. Foto: Leonardo Aquino

 

Os italianos estão em peso em Pipa e o Terra Nostra é outra boa opção. Não apenas pelas massas e pizzas, mas também pelos pães e doces da Padaria Central, que funciona no mesmo ponto. No restaurante, um prato que sempre comemos é o carpaccio de polvo. Na padaria, as especialidades são os croissants e strudels.

Outros lugares bem recomendados

É preciso ir à Praia da Pipa dezenas de vezes para experimentar tudo o que a gastronomia de lá tem a oferecer. Portanto, sempre tem algum lugar que falta conhecer. No nosso caso, a principal ausência da lista é o Tapas. Um dos restaurantes mais famosos da vila, o Tapas estava fechado nos últimos dias em que tentamos ir lá. Sua cozinha de inspiração espanhola e contemporânea é sempre muito elogiada. Outros lugares que estão na nossa mira para as próximas viagens são as churrascarias Tchê André e El Farolito e o tailandês Wattana.

Passeios

A variedade é gigantesca! Buggys, quadriciclos, kitesurf, parapente, circuito de arvorismo, catamarãs, mergulhos… A agência Pipa Aventura, que fica na avenida Baía dos Golfinhos, organiza muitos desses passeios e é a empresa mais bem recomendada. Outras indicações podem ser encontradas no Guia Pipa, que é distribuído em todos os hotéis e tem sua versão online no site www.pipa.tur.br.

Nenhum comentário em O que fazer em Pipa: praias, gastronomia e muito mais

Praia de Pipa: um guia para planejar sua viagem

A Praia de Pipa talvez seja a grande prova da generosidade que a natureza teve com o litoral do Rio Grande do Norte. Ela não tem só o branco da…

A Praia de Pipa talvez seja a grande prova da generosidade que a natureza teve com o litoral do Rio Grande do Norte. Ela não tem só o branco da areia das dunas e o azul esverdeado do mar (ou verde azulado, dependendo do ponto de vista). A paisagem dela é marcada por outra cor: o laranja vivo das falésias que formam paredões perto da orla. É como se fosse possível juntar uma ilha do Caribe com uma chapada do interior do Brasil. E aí é preciso procurar outro adjetivo. “Paradisíaco” não é suficiente para descrever.

Praia do Amor - Praia da Pipa

Praia do Amor, em Pipa. Foto: Leonardo Aquino

 

Mas o pacote não fica só nisso. Pipa tem a presença ilustre dos golfinhos (que dão nome a uma baía na região) e de um bom pedaço de mata atlântica preservada. Tem uma lagoa que oferece banho de água doce, tem picos de surfe e trilhas para caminhada. É santuário ecológico, point de verão e destino de aventura ao mesmo tempo.

Como se não fosse bom o suficiente, ainda há a gastronomia. Até os anos 80, a Praia de Pipa era meio colônia de pescadores, meio acampamento hippie. Os dias de acesso difícil ficaram no passado. Assim, os visitantes passaram a vir de cada vez mais longe e alguns se instalaram de vez. Acabaram trazendo para a pequena vila no nordeste brasileiro uma enorme diversidade de estilos nas suas cozinhas. Ir a Pipa não é só pegar sol e tomar banho de mar, mas também comer muito bem.

Gastronomia, Praia da Pipa

Carpaccio de polvo no Terra Nostra, um dos bons restaurantes de Pipa. Foto: Leonardo Aquino

 

Por essas e outras, Pipa se tornou meu destino preferido para feriados prolongados e viagens de fim de semana. Mais do que isso: povoa também meus sonhos de aposentadoria. Quem não adoraria passar o resto da vida num lugar como este?

Este post vai ajudar você a planejar sua primeira viagem à Praia de Pipa. Como chegar, onde ficar, o que fazer, onde comer e muito mais. Vamos nessa?

Ponta do Pirambu, Tibau do Sul, Praia da Pipa

Praia do Giz, em Tibau do Sul. Foto: Leonardo Aquino

Como chegar à Praia de Pipa

Pipa pertence ao município de Tibau do Sul, a 85 quilômetros de Natal. São pouco mais de 11 mil habitantes, que vivem quase totalmente do turismo. Uma caminhada pelas ruas da vila pode dar a impressão de que há mais pousadas e restaurantes do que residências.

A forma de chegar à Praia de Pipa vai depender muito da sua origem e do seu meio de transporte.

Um clique que é a cara de Pipa: praia + falésias no Mirante de Cacimbinhas. Foto: Leonardo Aquino

De carro

A partir de Natal, a viagem é pela BR-101 no sentido sul até a cidade de Goianinha, onde você deve entrar na RN-003. A BR é duplicada neste trecho. A RN não. Dependendo de onde você estiver hospedado em Natal, a distância fica abaixo de 80 quilômetros.

A partir de João Pessoa ou Recife, a viagem também é pela BR-101, mas indo no sentido norte. A pista é toda duplicada no trajeto até Goianinha. Saindo de João Pessoa, a distância é de 152 quilômetros. Do Recife, são 256 quilômetros.

De táxi

A partir do aeroporto de Natal, a corrida sai por volta de 200 reais. Do aeroporto de João Pessoa, ela fica um pouco mais cara: em torno de 300.

De ônibus

Saindo da rodoviária de Natal, há ônibus saindo rumo a Pipa a partir das 6 da manhã. De segunda a sexta, são dez saídas diárias com no máximo 2h10 de intervalo entre uma e outra. A última saída é às 18h10. Aos sábados são oito saídas. Aos domingos e feriados, três. Portanto, se você quiser ir de ônibus num fim de semana, programe-se para não ficar sem passagem.

Existe também uma linha alternativa de ônibus saindo de um ponto em frente ao Natal Shopping. São três saídas diárias tanto em dias úteis quanto em fins de semana.

Para pesquisar mais detalhadamente os horários dos ônibus, acesse http://busca.pipa.tur.br

Vans

Uma oferta mais frequente de transporte é a de vans saindo de Goianinha rumo a Pipa. Elas costumam circular das 5 da manhã à 0h30, com intervalos de aproximadamente 10 minutos. Mas tenha essa opção em vista apenas em caso de emergência, já que você precisaria pegar um ônibus de Natal a Goianinha antes.

Transfers

Para quem chega de avião e não quer dirigir, esta é a melhor opção. Há várias empresas que prestam este serviço, como a VIP Pipa Transfer, a Pipa Aventura e a Pipa Locadora. O preço fica em torno de 80 reais por pessoa o trecho. Hotéis e pousadas também oferecem transfers. Alguns deles sem custo para o hóspede. Vale perguntar na hora de fazer a reserva.

A pergunta que você pode fazer agora: vale a pena alugar carro?

Para conhecer praias como a do Madeiro, é melhor estar de carro. Foto: Leonardo Aquino

 

A resposta vai depender do que você pretende fazer na viagem. Caso fique apenas na vila de Pipa e esteja hospedado perto da praia, você dificilmente vai precisar tirar o carro da garagem. Nesse caso, não vale a pena. Mas se você pensa em circular pelas outras praias da região, o carro vai lhe dar mais liberdade e flexibilidade. Só não deixe de tomar o cuidado que você tomaria numa grande cidade: se beber, não dirija. Fiscalizações de trânsito são comuns, especialmente em alta temporada.

No entanto, o carro não é fundamental para circular. Pipa é bem servida de táxis que podem lhe levar às outras praias mais distantes da vila. Além disso, há muitas agências que promovem excursões pela região.

Quando ir à Praia de Pipa?

Praia da Pipa

Mesmo sem sol aberto, dá pra relaxar em Pipa. Foto: Leonardo Aquino

 

Não se iluda achando que o Nordeste é uma região de um tempo só, ensolarado o ano inteiro. São cerca de 300 dias de sol por ano, mas há um período chuvoso: entre abril e junho. Nestes três meses, são grandes as chances de São Pedro melar a sua praia. Por outro lado, as hospedagens costumam ficar mais baratas neste intervalo. Portanto, leve tudo isso em consideração ao planejar uma ida à Praia da Pipa em feriados como Semana Santa, Corpus Christi e Dia do Trabalhador.

Para ir sem erro, meteorologicamente falando, vá no verão: de dezembro a março. Mas saiba que é a alta temporada na região e isso pode refletir em preços mais altos. O mesmo vale para julho, por causa das férias escolares. De agosto a novembro, é uma espécie de temporada intermediária ideal. Sem a muvuca dos meses mais concorridos e com sol. A famosa situação ganha-ganha.

Outro fator importante para levar em consideração: alguns feriados prolongados costumam ter grandes shows. Isso significa vila lotada, barulho e praia suja. Se você não gosta da badalação, procure saber se há alguma programação desse tipo antes de fazer a sua reserva.

 

Onde ficar em Pipa?

Para tomar essa decisão, é preciso saber de antemão alguma coisa sobre a região.

O epicentro da vida em Pipa está na avenida Baía dos Golfinhos, que também é chamada de Vila. É a rua que concentra o comércio, os serviços, a gastronomia e a vida noturna de Pipa. Há vários hotéis, pousadas e flats na avenida. Alguns deles com acesso direto à praia. Ficar aqui vai lhe facilitar a vida, especialmente nos passeios noturnos. Mas, em alta temporada, a poluição sonora é alta e pode incomodar um bocado.

O relevo de Pipa é bastante acidentado. Há muitas ladeiras perto da orla. Portanto, você encontrará algumas ofertas de hospedagem localizadas no centro de Pipa, mas com uma subida de brinde na volta do seu passeio. Se você vai viajar com pessoas com dificuldade de locomoção, é melhor evitar.

Indo para o norte, existe a possibilidade de ficar entre Pipa e Tibau do Sul, inclusive hotéis requintados como o Pipa Privilege e o Madeiro Beach. São opções mais caras e que vão lhe deixar distante da vida noturna. Se você pode pagar um pouco mais caro e pretende passar o dia descansando, pode ser a sua escolha.

O mesmo vale para os hotéis e pousadas na região do Chapadão, rumando ao sul. Alguns deles oferecem acesso direto à praia, têm estrutura robusta e serviços de spa. É para quem quer pagar para não se incomodar.

Um bom custo-benefício é a hospedagem em Tibau do Sul. A cidade tem hotéis confortáveis e mais baratos que os do centro ou os grandes resorts.

***** Reserve seu hotel em Pipa pelo Booking.com *****

 

Pipa para pessoas com necessidades especiais

Praia de Pipa, Praia do Madeiro

Acesso à Praia do Madeiro, em Pipa. Vai encarar? Foto: Leonardo Aquino

A geografia de Pipa não é muito amigável para idosos, cadeirantes, pessoas com crianças de colo ou dificuldades de locomoção. Além das ladeiras que estão no caminho de muitos hotéis, os acessos às praias também são difíceis. Para chegar à praia do Amor, por exemplo, é preciso descer no meio de uma falésia. O acesso à praia do Madeiro é por uma escadaria íngreme e escorregadia. E por aí vai.

As praias mais acessíveis são as de Tibau do Sul e a do Centro. A primeira tem um acesso totalmente plano a partir de um estacionamento perto da Lagoa Guaraíras. A segunda, de descidas suaves na avenida Baía dos Golfinhos ou de alguns hotéis e restaurantes. Portanto, se você viaja com alguém que tenha necessidades especiais, são os lugares mais indicados para ficar e curtir.

Nenhum comentário em Praia de Pipa: um guia para planejar sua viagem

Maceió: dicas da cidade em um roteiro de quatro dias

Vou confessar um pecado: foram necessários seis anos morando no Recife para ir a Maceió pela primeira vez. É pecado sim porque não há uma desculpa que não soe esfarrapada….

Vou confessar um pecado: foram necessários seis anos morando no Recife para ir a Maceió pela primeira vez. É pecado sim porque não há uma desculpa que não soe esfarrapada. As duas cidades são próximas: em 3h30 de estrada você sai de uma e chega à outra. Amigos pernambucanos sempre elogiaram a beleza da orla da cidade e das praias do litoral alagoano. Meus pais, quando vieram me visitar, já deram pelo menos duas escapadas até Alagoas e voltaram maravilhados. Falta de aviso é que não foi…

Maceió sozinha tem 40 quilômetros de litoral. Seis deles urbanizados, com calçadão, ciclovia, barracas e bares de praia. Nenhuma capital nordestina tem piscinas naturais tão próximas: a apenas dois quilômetros da costa. Além disso, a cidade oferece esportes de aventura (caiaque e stand up paddle, por exemplo), artesanato e uma ótima gastronomia. A capital alagoana é bem servida de restaurantes de cozinha regional e internacional, sempre com frutos do mar fresquinhos.

A orla da Pajuçara é fechada aos domingos e feriados. Foto: Leonardo Aquino

Para quem quer dar uma variada na paisagem, é só pegar uma estrada para viagens curtas. Num raio de algumas dezenas de quilômetros a partir de Maceió, há um farto cardápio de praias. Umas mais desertas, outras mais movimentadas, algumas com infraestrutura de resort, outras mais rústicas. Todas com o mar naquela paleta de cores dos sonhos: entre o azul e o verde, para ninguém sentir inveja do Caribe.

A ida a Maceió acabou sendo emblemática para mim por uma razão pessoal. Foi a primeira vez que minha esposa Janaína e eu viajamos com nossa filha Olívia. Ela tinha apenas dois meses quando fomos e isso acabou sendo determinante na elaboração do roteiro. Por exemplo, deixamos de fazer os passeios nas piscinas naturais por receio de andar com uma bebê num barco. E nas praias, procuramos pontos de apoio que fossem mais amigáveis para crianças.

Fim de tarde na Pajuçara. Foto: Leonardo Aquino

Passamos quatro dias lá no feriadão de 12 de outubro de 2017 e resolvi compartilhar com vocês nosso itinerário. Não é um guia definitivo de Maceió, mas o relato da nossa experiência na cidade. As dicas podem ser aproveitadas por famílias com filhos pequenos ou turistas em busca de uma viagem mais low profile. Espero que vocês curtam!

Como chegar a Maceió

De avião

Há voos diretos para Maceió saindo de Recife, Salvador, Brasília, Rio de Janeiro, São Paulo, Campinas e Belo Horizonte. Se você vier de avião, desembarcará no Aeroporto Internacional Zumbi dos Palmares. Ele fica a 25 quilômetros da orla da Pajuçara, o epicentro turístico da cidade. Se é nessa região que você vai ficar hospedado, a corrida de táxi vai sair entre R$ 75 e R$ 88. Dá para fazer uma simulação da viagem no site http://www.citytaxi.com.br.

Para economizar, dá para chamar um Uber, que custa entre R$ 40 e R$ 55. Há ainda os ônibus da empresa Veleiro (http://www.viacaoveleiro.com.br), que saem da frente do aeroporto. Mas os moradores dizem que a linha Aeroporto/Ponta Verde costuma ser visada por assaltantes. Melhor evitar.

De carro

Saindo do Recife, como foi o nosso caso, há dois caminhos. Um é pela BR-101, num percurso de aproximadamente 260 quilômetros. A estrada é toda duplicada no trecho pernambucano. Quando se entra em Alagoas, há alguns trechos de uma pista só. Mas as obras de duplicação estão em andamento, o que congestiona o trânsito em alguns momentos.

O segundo caminho é a chamada rota litorânea: PE-060 no trecho pernambucano e AL-101 no trecho alagoano. A distância é mais ou menos a mesma da rota pela BR-101. Mas o trajeto quase todo é feito em estrada de pista única. Além disso, há muitos trechos em áreas urbanas. Porém, para quem quer fazer um pinga-pinga em várias praias, é a melhor opção. No caminho, estão Porto de Galinhas, Carneiros, Tamandaré, Maragogi, Japaratinga e muitas outras.

Para quem vem do outro lado do Nordeste, como Aracaju e Salvador, o caminho principal é a BR-101. Mas não sei como está a estrada neste trecho.

Onde ficar

A maioria dos hotéis de Maceió está na Pajuçara. É o principal bairro da orla urbana, com muitos restaurantes, a feirinha de artesanato e equipamentos na praia (como quadras esportivas). Mas a oferta de hospedagem é proporcional à quantidade de gente e de carros circulando. Aos domingos e feriados, a avenida litorânea é fechada num trecho que vai até Ponta Verde (o bairro imediatamente ao norte de Pajuçara). A orla acaba virando uma grande rua de lazer, o que pode ser uma delícia e um tormento, dependendo do ponto de vista.

Quanto mais para cima você anda no mapa, menos muvuca. Escolhemos nos hospedar num dos últimos bairros da orla urbana da cidade, a Jatiúca. Alugamos um Airbnb num condomínio à beira-mar, num trecho ainda movimentado do bairro. Você pode usar como referência a avenida Antônio Gomes de Barros, que é perpendicular à orla. Ela é em estilo boulevard, com um canteiro central largo (mas não muito bem cuidado). Nela, há uma quantidade enorme de restaurantes, bares e lojas de rua. É uma ótima pedida para passeios pós-praia.

 

Primeiro dia

Almoço na Bodega do Sertão

Chegamos a Maceió por volta do meio-dia e, depois de deixar a bagagem no apartamento, fomos atrás do almoço. Escolhemos um local bem próximo ao condomínio: a Bodega do Sertão. É um restaurante típico nordestino que costuma ser visitado por celebridades. Há um painel com fotos de várias delas, principalmente atores globais. O serviço é em buffet por quilo e o atendimento é muito bom. Dá para experimentar baião de dois, carne de sol, carneiro, e outras delícias regionais.

Se você estiver na cidade em um domingo, pode tomar café na Bodega do Sertão. É o único dia em que o restaurante abre de manhã. Sem pressa, dá para se empanturrar com as guloseimas nordestinas. Bolo, tapioca, cuscuz, macaxeira e muito mais!

Pontal da Barra e Feirinha de Artesanato da Pajuçara

Maceió, bordado filé

O famoso filé alagoano. Foto: Leonardo Aquino

Em seguida, fomos até um local onde se compra o artesanato alagoano mais tradicional. O Pontal da Barra, também conhecido como “bairro das rendeiras”, é o melhor lugar para comprar o filé. Não, não é o corte de carne. E sim um estilo de bordado bem característico.

Segundo o Instituto de Bordado Filé, o estilo é construído a partir de uma rede que serve de suporte para a execução do bordado. O trabalho propriamente dito tem duas etapas: a construção da rede e o preenchimento de pontos sobre a rede.

É um estilo bem colorido, que está principalmente em peças de mesa e de vestuário. No Pontal da Barra, você vai poder encontrar uma variedade tremenda de exemplares. As lojas e ateliês das rendeiras estão concentradas na rua Alípio Barbosa da Silva. Além do filé, dá para encontrar tecelagem, cerâmica e muitos outros tipos de artesanato. Muitas lojas aceitam cartões de crédito e débito, mas levar dinheiro em espécie é bom para pechinchar. Há um caixa eletrônico da rede Banco 24 Horas numa das galerias.

Maceió, Pontal da Barra

A rua das rendeiras no Pontal da Barra. Foto: Leonardo Aquino

Depois de sair do Pontal da Barra, tentamos ir à Feirinha de Artesanato da Pajuçara. Mas o movimento estava muito grande na região (era feriado) e não conseguimos nem lugar para estacionar o carro. Pelo que deu para ver de fora, não há nada muito diferente do que se encontra em outras feiras de capitais nordestinas. Cachaça, castanha, renda, tecelagem, referências a forró e cangaço, etc. Se você é do Nordeste, certamente não vai ver nenhuma grande novidade.

Daslagoas Brew Pub

A casa da cerveja alagoana. Foto: Leonardo Aquino

À noite, decidimos dar uma explorada na avenida Antônio Gomes de Barros, próxima ao apartamento. Encontramos uma cervejaria que chamou a atenção pelo nome: Daslagoas Brew Pub. É um bar que produz a própria cerveja, com cinco rótulos. Todos têm alguma referência à cultura nordestina: Quilombos, Aluá, Jangadeiros, Virgulino e Guerreiros. Às terças, quartas e quintas, no happy hour, você toma dois chopps iguais e ganha o terceiro. Experimentamos a Guerreiros, que é uma Blonde Ale bem gostosa. A Daslagoas também vende outras cervejas locais, com preços muito bons. Vale demais a visita!

Maceió, Das Lagoas Brew Pub

Foto: Leonardo Aquino

Segundo dia

Praia de Garça Torta e Milk Beach Pub

Praia de Garça Torta. Foto: Leonardo Aquino

Era nosso primeiro dia de praia, então resolvemos acordar cedo para aproveitar algum tempo de sol mais brando. Principalmente por causa da Olívia, nossa bebê de dois meses. A ideia inicial era ir ao Hibiscus, um day use que fica na praia de Ipioca, 24 quilômetros ao norte de Maceió. O local é muito bem recomendado pela infra-estrutura, com gazebos, redes, espaço infantil, piscinas e até spa.

Quando chegamos à entrada do Hibiscus, fomos informados que o day use (R$ 35 por pessoa, sem consumação incluída) só poderia ser pago em espécie. Estávamos apenas com os cartões e tivemos que voltar à estrada para tirar dinheiro. Na volta, já havia uma placa na guarita: LOTADO. E não eram nem 10 da manhã. Acabamos desistindo do Hibiscus. Além do preço alto e da grande concorrência para entrar, achamos que era diferente do perfil que procurávamos.

Maceió, Milk Beach Pub, Praia de Garça Torta

Milk Beach Pub. Foto: Leonardo Aquino

Fomos então para uma praia um pouco mais próxima de Maceió, a de Garça Torta. Ficamos em outro bar de praia bem recomendado, o Milk Beach Pub. Quando chegamos, não havia quase ninguém e nos sentimos muito mais à vontade. Guarda-sol, rede e uma trilha sonora ótima, que foi de Secos e Molhados a Rolling Stones. O nome é uma homenagem a Harvey Milk, ativista LGBT americano que foi interpretado no cinema por Sean Penn.

Maceió, Milk Beach Pub, Praia de Garça Torta

Sombra, rede, barulho do mar… Precisa de algo mais? Foto: Leonardo Aquino

O cardápio tem petiscos de praia e frutos do mar a preços bem OK. A praia de Garça Torta, que fica nos fundos do Milk, tem o mar agitado. Além das ondas que quebram em cima da beira, há algumas pedras logo em frente ao acesso do bar. Mas dá para tomar banho andando um pouco para a esquerda.

Caminhada pela Jatiúca

No fim da tarde, resolvemos dar uma caminhada pela orla da Jatiúca. Há uma ciclovia e as calçadas são bem pavimentadas. Tanto que conseguimos andar confortavelmente com a Olívia no carrinho de bebê. A região tem muitos bares de praia como a Barraca Buenos Aires e o Lagosta do Chef. Saindo da orla e indo em direção à cidade, estão alguns dos restaurantes mais badalados de Maceió, como o italiano Maria Antonieta e o peruano Wanchako.

Acabamos indo em uma opção mais econômica para jantar, a creperia Operant. A especialidade da casa são os crepes com massa crocante. Mas a casa também tem boas saladas e ótimos sucos.

 

Terceiro dia

Praia de Guaxuma

Maceió, Praia de Guaxuma

Praia de Guaxuma. Foto: Leonardo Aquino

Fomos à primeira praia ao norte de Maceió. Guaxuma fica cerca de 10 quilômetros distante da Pajuçara, mas já dá para sentir muita diferença da orla urbana. Menos gente, menos carros e mais espaço na areia. O mar é agitado como o de Garça Torta, mas sem pedras.

Maceió, Praia de Guaxuma

Barraca Bar Brasil, em Guaxuma. Foto: Leonardo Aquino

Ficamos na Barraca Bar Brasil, uma das mais conhecidas de Guaxuma. Ela tem uma infraestrutura bem simples, mas suficiente para não passar perrengue. O diferencial é uma área de lazer para crianças, com alguns brinquedos no estilo parquinho. Os preços, em geral, são mais baixos que os de Garça Torta. Experimentamos o filé de siri, servido com farofa. Custou 35 reais e foi um bom petisco pré-almoço. O ponto negativo é que, diferente do Milk Beach Pub, o Bar Brasil é todo aberto e oferece menos privacidade.

Almoço no Akuaba

Depois da praia, fomos para uma das experiências que mais esperávamos em Maceió: o almoço no Akuaba. É um dos restaurantes mais badalados da capital alagoana, com suas receitas de inspiração africanas e baianas.

O acarajé do Akuaba. Foto: Leonardo Aquino

De saída, lhes digo: lá, experimentei o melhor acarajé da minha vida. Massa sequinha e fofinha, recheios deliciosos e um tamanho generoso. Se você não estiver sozinho na mesa, melhor dividir. Comer um inteiro pode tirar um precioso espaço do seu estômago.

Maceió, restaurante Akuaba

A Moqueca Meu Príncipe do Akuaba. Foto: Leonardo Aquino

No prato principal, pedimos a Moqueca Meu Príncipe. Ela leva camarão, mexilhão e polvo e é temperada com gengibre e biri-biri, uma fruta que também é conhecida como limão de caiena. Serve duas pessoas, assim como quase todo o cardápio. Além de moquecas, o Akuaba tem muitas opções de frutos do mar, inclusive ostras frescas.

O almoço saiu a R$ 87 por pessoa, incluindo entrada, prato principal, drink e sobremesa. O preço é bem justo para o tamanho das porções e para a qualidade da comida.

 

Último dia

Japaratinga

Foto: Leonardo Aquino

Para chegar ao Recife com o dia claro, saímos de Maceió ainda de manhã. A ideia era parar em alguma praia na rota ecológica para almoçar. Ficamos na dúvida entre Maragogi e Japaratinga. Maragogi é o principal destino da região, graças às piscinas naturais e à boa gastronomia. Só que a cidade foi invadida por resorts e costuma ficar entupida de turistas. Japaratinga está ali coladinha e tem as mesmas atrações naturais. A oferta de restaurantes não é igual à da vizinha badalada, mas a quantidade é suficiente para lhe deixar na dúvida na hora do almoço.

Como queríamos tranquilidade por causa da bebê, fomos a Japaratinga. A entrada da vila tem aquela imagem típica das cidades de interior: a pracinha, a igreja e os pequenos comércios. Andando algumas centenas de metros, você chega à orla e dá de cara com o mar azul esverdeado.

Praia de Japaratinga

Foto: Leonardo Aquino

Indo para a direita na orla (ou na direção sul no mapa), você vai encontrar uma grande oferta de restaurantes pé na areia. Escolhemos o Camboa pela área externa amigável: grama bem cuidadinha, espaço para estacionar, mesas e sombrinhas na beira da praia, proximidade do mar. O banho por lá é ótimo: ondas fracas e água com temperatura bem fresquinha.

O único porém foi o custo-benefício do almoço. Pagamos 84 reais num peixe grelhado bem simplório, com arroz e purê. Mas, em se tratando de valores, não espere encontrar algo muito diferente na região. Os preços são bem inflacionados.

No quesito economia, Japaratinga leva vantagem sobre Maragogi no valor do passeio das piscinas naturais. Pela pesquisa que fiz, o preço em Maragogi é em média 50% mais caro. Outra dica importante: se você gosta de sol e sossego, vale curtir a rota ecológica sem pressa. O ideal é programar de três a quatro dias.

 

1 comentário em Maceió: dicas da cidade em um roteiro de quatro dias

Lanzarote dia 2: os vulcões do Parque Nacional de Timanfaya

Na pesquisa que fiz para preparar o roteiro da viagem às Ilhas Canárias e Marrocos, li várias descrições de Lanzarote que comparavam a paisagem da ilha à da lua. Tudo…

Na pesquisa que fiz para preparar o roteiro da viagem às Ilhas Canárias e Marrocos, li várias descrições de Lanzarote que comparavam a paisagem da ilha à da lua. Tudo por causa das centenas de cones vulcânicos que ocupam o pequeno território (cerca de 850 quilômetros quadrados) e do clima seco e do visual desértico. Não demorou muito tempo para que Janaína e eu comprovássemos tudo isso. Bastou apenas uma visita à principal atração turística de Lanzarote: o Parque Nacional de Timanfaya.

Timanfaya tem 51 quilômetros quadrados de um cenário talhado pela natureza na forma de rochas, fogo e cinzas. Há uma impressionante amplitude de cores e formas, obras das grandes erupções vulcânicas que aconteceram na ilha: uma entre 1730 e 1736 e a outra em 1824. Os vulcões continuam lá. Ativos, porém adormecidos. Atraindo a curiosidade de mais de 1 milhão de turistas por ano.

Depois de dedicarmos o dia da chegada a Lanzarote para conhecer as vinícolas e a orla, reservamos um dia inteiro para conhecer o Timanfaya, sem saber exatamente se seria necessário todo esse tempo. O parque abre para visitação às 9 da manhã. Fomos alertados por Joán, nosso host do Airbnb, a tentar chegar próximo do horário de abertura do parque. E assim fizemos: poucos minutos antes das 9, já estávamos lá e já havia uma pequena fila de carros para entrar.

Placa de entrada das Montanhas de Fogo

Placa de entrada das Montanhas de Fogo

Nosso ponto de partida foi o Centro Cultural e Turístico das Montanhas de Fogo, que é a atração mais visitada dentro do parque de Timanfaya. Ele fica a 27km de Puerto del Carmen e a 23km de Playa Blanca, que são os balneários que costumam hospedar mais turistas. As Montanhas de Fogo são o ponto de partida para a Rota dos Vulcões, o passeio pelo meio dessas formações geológicas tão fascinantes.

A chegada ao centro de visitantes, mesmo na hora da abertura do parque, já é lotada assim

A chegada ao centro de visitantes, mesmo na hora da abertura do parque, já é lotada assim

É importante alertar que esta rota não é autoguiada. Ela é feita em ônibus do próprio parque, que saem a todo momento. No dia em que fizemos a visita, o intervalo não foi maior que 15 minutos entre uma saída e outra. O embarque é por ordem de chegada na fila que é formada em frente ao centro de visitantes.

Os ônibus são confortáveis, climatizados e não possuem um guia. As informações são passadas pelo sistema de som do veículo em quatro idiomas: espanhol, inglês, francês e alemão. A Rota dos Vulcões do Parque de Timanfaya tem 14 quilômetros, mas é feita bem lentamente e com várias paradas para fotos e contemplação. Um detalhe: ninguém desce do ônibus. Portanto, a dica óbvia é: tente pegar um lugarzinho na janela. Há bastante coisa para ver tanto do lado esquerdo quanto do direito.

Mesmo de dentro do ônibus, dá pra tirar belas fotos como esta...

Mesmo de dentro do ônibus, dá pra tirar belas fotos como esta…

img_2533

… ou esta…

img_2539

… ou ainda esta.

A viagem dura cerca de 45 minutos e volta para o mesmo centro de visitantes do início. Ao descer, é hora de conhecer algumas coisas curiosas do parque como as anomalias geotérmicas. Alguns funcionários demonstram como a água dispara em ebulição, como em um gêiser. Outra “mágica” faz a vegetação arder à medida que é introduzida a uma certa profundidade.

O centro de visitantes também abriga um restaurante que vai lhe deixar instigado para comer algo. É que alguns dos pratos do cardápio são preparados com o calor dessas anomalias geotérmicas. É como se fizessem churrascos no vulcão.

Tua batata tá assando

Tua batata tá assando

Ao final das contas, passamos cerca de três horas no parque. Quando saímos, já um pouco depois do meio dia, a fila de carros para entrar estava infinitamente maior e o estacionamento, muito mais cheio do que na hora em que chegamos. Portanto, o conselho do Joán virou o nosso conselho: tente chegar na hora da abertura do parque!

Para você se programar

O Centro de Visitantes das Montanhas de Fogo abre diariamente às 9 da manhã. O horário da última saída para a Rota dos Vulcões e do fechamento do parque varia de acordo com a estação do ano. No verão, vai até mais tarde (18h e 19h, respectivamente). Nas outras épocas, a última saída para a Rota é às 17h e o parque fecha às 17h45. O ingresso custa 9 euros, com meia entrada para crianças de até 12 anos. O serviço completo está neste site do Governo das Canárias.

Outros lugares para visitar

E a parada seguinte foi esta aqui. Que beleza, hein?

E a parada seguinte foi esta aqui. Que beleza, hein?

Aproveitamos o restante do dia para conhecer outra paisagem única de Lanzarote. El Golfo, uma praia com areia negra e mar azulzinho. O cenário lindo e inóspito virou locação de cinema. O cineasta espanhol Pedro Almodóvar gravou algumas cenas de “Abraços Partidos”, seu filme de 2009, nesta praia.

Cena de "Abraços Partidos"

Cena de “Abraços Partidos”

Janaína e eu na mesma locação

Janaína e eu na mesma locação

Muito perto da praia, está a Lagoa Verde, ou Charco de los Clicos, que também apareceu no filme de Almodóvar. Ela tem uma água verde densa, cor resultante de um tipo de alga que habita em seu interior. Entranhada entre crateras que surgiram após as erupções vulcânicas dos séculos 18 e 19, a Lagoa é mais um lugar sem igual entre tantos lugares sem igual que estão em Lanzarote.

Uma baita paleta de cores: Charco de los Clicos

Uma baita paleta de cores: Charco de los Clicos

Na hora da fome do almoço, estávamos em El Golfo. Logo ao lado da entrada do mirante da praia, há um restaurante chamado El Siroco. Meu desconfiômetro costuma me mandar fugir dos restaurantes e comércios mais próximos das atrações turísticas. Mas, depois de uma caminhada pela vila e por consultas aos cardápios, vimos que não havia nenhuma opção tão econômica quanto El Siroco. Acabamos ficando por lá mesmo.

Uma senhora paella por 20 euros!

Uma senhora paella por 20 euros!

E assim, quase por acaso, fizemos a melhor refeição de toda a viagem. Fomos na sugestão da placa do lado de fora: paella para duas pessoas por 20 euros. E era uma senhora paella! Super bem temperada, bem servida e mais do que suficiente para nós dois. Ainda ganhamos de brinde a super vista panorâmica da praia de El Golfo e o atendimento espetacular.

E de cortesia, ainda ganhamos shots de ronmiel, um licor típico das Canárias

E de cortesia, ainda ganhamos shots de ronmiel, um licor típico das Canárias

Duas sugestões para completar o dia

Echadero de Camellos

Faz parte da área do Parque Nacional de Timanfaya, mas uma foto daqui poderia passar como a de algum país desértico, especialmente na região do Saara. Alguns camelos estão ali, disponíveis para passeios de 45 minutos por trás da montanha que dá nome ao parque. Como passamos por lá muito em cima da hora da abertura do centro turístico das Montanhas de Fogo, acabamos não fazendo o passeio. Mas paramos para tirar algumas fotos.

Uma nova versão de "camelódromo"

Uma nova versão de “camelódromo”

img_6452

“A Mônica de moto, o Eduardo de camelo”

Arrecife

Capital de Lanzarote, maior cidade da ilha, mas sem um grande chamariz turístico. Tem uma bela orla, bons restaurantes e centros comerciais. Vale para adicionar uma cidade à sua lista ou pra tomar uma cervejinha com frutos do mar na beira da praia.

Orla de Arrecife

Orla de Arrecife

Outros posts sobre Lanzarote:

Nenhum comentário em Lanzarote dia 2: os vulcões do Parque Nacional de Timanfaya

Type on the field below and hit Enter/Return to search