A paixão por viagens é um item de fábrica do ser humano. Mas o jeito como a paixão se manifesta em você não é igual ao de mais ninguém. Além disso, ele não continua o mesmo ao longo de toda a sua vida. Ele se molda ao seu momento, suas necessidades e curiosidades.

Vejam o meu caso por exemplo: sempre gostei de viajar sozinho. Em quase nove anos de andanças solitárias, desfrutei da liberdade de planejar e desplanejar o roteiro do dia ao meu bel prazer. Troquei museus e dias de compras por estádios de futebol. E passei alguns perrengues, claro. Ser sua própria companhia numa viagem está longe de ser uma experiência solitária. É uma das coisas mais enriquecedoras que você pode fazer por si mesmo.

Mas aí você conhece alguém. Alguém que dia após dia vai te mostrando o quanto uma vida compartilhada pode ser incrível. Que te faz ver que viver uma experiência com alguém é como se você a vivesse duas vezes. E que te leva a sair do casulo e a carrega-la com você por essa vida afora.

Janaína e eu: na rua, na chuva, na fazenda, numa medina no Marrocos ou num arquipélago no meio do Atlântico

No meu caso, conheci a Janaína. Minha namorada, esposa, companheira de vida. Ela ainda não tinha sido mordida pelo bichinho viajante. Havia saído do Brasil apenas quando cursou o doutorado na França, em 2006. Férias no exterior, de lá pra cá, nenhuma.

E eis que resolvemos planejar nossa primeira grande viagem juntos. Uma experiência nova para ambos. Eu, que não estava acostumado a viajar com alguém, ao lado da Janaína, que não tinha o costume de viajar.

Em abril de 2016, passamos duas semanas viajando pelas Ilhas Canárias e Marrocos. Antes de embarcar, brincamos que essa seria nossa lua de mel antes do casamento. E assim foi: lindas paisagens, comidas incríveis, novos amigos, aquela mistura de idiomas na hora de falar e, claro, alguns perrengues. Porque viagem sem perrengue não existe.

Resolvi criar este blog para contar como foi a nossa viagem, do planejamento à volta para casa, com dois objetivos principais. O primeiro é compartilhar com amigos mais próximos (e os leitores que espero que se tornem amigos) os detalhes dessas andanças. O segundo é inspirar você a pesquisar, planejar e arrumar as malas. Da mesma forma que a Janaína e eu fomos inspirados por relatos que encontramos por aqui e que nos fizeram viver alguns dos momentos mais especiais das nossas vida.

Seja bem vindo! Embarque com a gente! 🙂