Museu do Automóvel de Turim: a história sobre quatro rodas

A semana de 19 a 25 de junho de 2017 é dedicada a festejar os museus pelo mundo afora. É a Museum Week, um evento que tem o objetivo de celebrar os acervos das instituições culturais e promover diálogos com a sociedade. A iniciativa é construída nas redes sociais por meio de hashtags específicas que, em 2016, estiveram em 664 mil tweets com 294 milhões de visualizações.

No Brasil, a Museum Week tem a participação massiva dos blogueiros de turismo. Os membros da RBBV (Rede Brasileira de Blogs de Viagem) estão promovendo uma blogagem coletiva sobre museus: os favoritos de cada um, os mais legais visitados recentemente, etc. São dicas que podem ajudar você a incluir mais um item ao seu roteiro de viagem ou, quem sabe, descobrir uma atração na sua cidade.

Escolhi escrever sobre um museu fascinante que conheci na viagem de férias de fevereiro de 2017: o Museu do Automóvel de Turim, na Itália. Nem todo mundo vê semelhanças entre automóveis e obras de arte, mas uma coisa é fato: um carro pode ser o espelho de uma sociedade. Ele é um indicativo do grau de tecnologia da indústria, de demandas de consumo, da importância dada a preocupações ambientais e muito mais. Portanto, nada mais natural que exista um museu dedicado a ele.

Turim não costuma estar na rota turística da Europa, mas tem uma razão especial para abrigar este museu. A cidade é o berço da Fiat, tanto que o T da sigla da montadora significa Turim (Fabbrica Italiana Automobili Torino). Um dos fundadores da Fiat, Roberto Biscaretti di Ruffia, também é um dos idealizadores do museu. A criação data de 1932 e, nesses mais de 80 anos de história, o acervo foi crescendo e se tornando único no mundo. Hoje, a coleção tem mais de 200 modelos do mais alto valor histórico e de diversas origens: França, Alemanha, Reino Unido, Estados Unidos e muito mais.

Foto: Leonardo Aquino

A atual sede do Museu do Automóvel de Turim é moderníssima e foi inaugurada em 2011. Projetada pelo arquiteto Cino Zucchi, ela tem três níveis principais. O térreo, também chamado de Piazza, é uma espécie de salão charmoso e futurista. Ele costuma receber eventos como premiações, exposições temporárias, concertos e desfiles de moda, entre outros. Os outros dois andares recebem o acervo permanente do museu.

A visita começa no segundo andar, onde está a coleção “O Carro e o Século 20”. São 21 salas em uma área de 3600 metros quadrados. Elas contam as origens do automóvel desde seus precursores, como as carruagens puxadas por cavalos. A partir daí, é possível acompanhar a linha evolutiva dos carros. As mudanças no desenvolvimento dos motores, na aerodinâmica e os toques dados pelas grandes potências da indústria (Itália, França e Estados Unidos).

Foto: Leonardo Aquino
Foto: Leonardo Aquino

Entre as relíquias da coleção está o 4HP, o primeiro modelo desenvolvido pela Fiat em 1899. Com um motor de 657 cilindradas, ele tinha velocidade máxima de 35 km/h. O modelo exposto no Museu do Automóvel de Turim é um dos dois únicos sobreviventes depois de mais de 100 anos.

O 4HP, relíquia da Fiat no Museu do Automóvel. Foto: Leonardo Aquino

Há também salas repletas de curiosidades, como a dedicada à produção automobilística da extinta Alemanha Oriental. Do lado oeste do Muro de Berlim, as inovações do mundo capitalista não rodavam. Carros com design antiquado, como os utilitários Trabant e Syrena, eram os mais populares.

Descendo para o primeiro andar do museu, o visitante chega à área “O Homem e o Carro”. Ela possui oito salas em 3800 metros quadrados e começa contando a relação íntima entre Turim e a indústria automobilística. Uma obra chamada “Autorino” consiste em um mapa da cidade impresso no chão com a localização das mais de 70 montadoras que surgiram ali no início do século 20. O número é impressionante! Até hoje, Turim é considerada uma das capitais do automóvel, com a presença de centros de excelência em projetos e design.

A sala/obra “Autorino”. Foto: Leonardo Aquino

Há outras salas que mostram o que há por dentro do automóvel: motores, sistemas e tudo o que forma uma espécie de orquestra mecânica. Ainda neste andar, há uma ala dedicada à publicidade (imperdível!!!) e outra dedicada à magia do automobilismo. Modelos originais de carros de corrida de diversas categorias estão lá. A italianíssima Ferrari obviamente é o destaque, com vários modelos que contam diante de seus olhos a história da equipe de Fórmula 1.

Foto: Leonardo Aquino

De volta ao andar térreo, na última parte do percurso, o visitante conhece a área dedicada ao design. Uma única sala de 1200 metros quadrado mostra o trabalho dos projetistas em busca da excelência em vários aspectos: segurança, conforto, mobilidade, velocidade e estilo.

Foto: Leonardo Aquino

Para quem quer uma experiência ainda mais profunda, o Museu do Automóvel de Turim guarda um tesouro ainda mais valioso. A Garagem, que abriga os carros que não fazem parte da coleção permanente e também uma escola de formação de restauradores. As visitas à Garagem precisam ser pré-agendadas, mas valem cada minuto para colecionadores e curiosos.

Dicas para economizar: há algumas situações em que o visitante tem direito a tarifa reduzida na entrada do museu. São as seguintes:

– idosos a partir de 65 anos
– crianças e adolescentes de 6 a 14 anos
– grupos acima de 15 pessoas
– estudantes universitários identificados com carteirinha
– passageiros de voos da Alitalia com cartão de embarque de até 10 dias antes da entrada no museu

 

Museo Dell’Automobile di Torino

Endereço: Corso Unità d’Italia 40
Para chegar de transporte público: estação Lingotto do metrô ou paradas 2256, 2258 e 2259 de ônibus.
Horários de abertura: segunda-feira das 10h às 14h. Terça das 14h às 19h. Quartas, quintas e domingos das 10h às 19h. Sextas e sábados das 10h às 21h. Última entrada uma hora antes do fechamento.
Ingressos: € 12 (adultos), € 8 (tarifa reduzida) e € 2,50 (escolas). Crianças de até 6 anos e jornalistas com carteira profissional têm direito a gratuidade.
Sitehttp://www.museoauto.it

 

 Sobre a Museum Week

A Museum Week é um evento que tem a chancela da Unesco e movimenta as redes sociais para promover os acervos e as instituições. De 19 a 25 de junho, museus de todo o planeta vão compartilhar conteúdo e histórias com a hashtag #MuseumWeek.

Além disso, a edição 2017 está propondo o engajamento de outras 7 hashtags específicas, uma para cada dia da semana:

– 19/06: #FoodMW, para conteúdo que relacione museus e gastronomia
– 20/06: #SportsMW, museus e esportes
– 21/06: #MusicMW, museus e música
– 22/06: #StoriesMW, museus e estórias
– 23/06: #BooksMW, museus e livros
– 24/06: #TravelsMW, museus e viagens
– 25/06: #HeritageMW, museus e patrimônio

Além disso, a Museum Week 2017 está comprometida com o tema da igualdade de gênero e é dedicada às mulheres ao redor do mundo. Os museus estão sendo estimulados a compartilhar conteúdo com a tag #WomenMW.

Tá a fim de conhecer outros museus pelos relatos dos blogueiros da RBBV? Veja aí todos os links da nossa blogagem coletiva!

1) Trilhas e Cantos: Museu Casa dos Contos, em Ouro Preto, Minas Gerais.
2) Tá indo pra onde?: Museus e experiências além do básico em Barcelona
3) Mariana Viaja: National Gallery of Art, em Washington;
4) Turistando.in: Visitando o Museu de História da Arte de Viena (Kunsthistorisches Museum);
5) Vamos Por Aí: Meus Museus Favoritos;
6) Viajar correndo: Museu Light da Energia, Rio de Janeiro;
7) Guia do Nômade Digital: Galeria 11/07/95: Galeria sobre o Genocídio na Bósnia e Herzegovina;
8) Uma Viagem Diferente: 4 Museus Imperdíveis em Florença;
9) Quase Nômade: Museu Iberê Camargo, em Porto Alegre;
10) Gastando Sola Mundo Afora: Museo de Arte Precolombino de Cuzco;
11) Passeios na Toscana; Florença do alto: as Torres abertas à visitação;
12) Cantinho de Ná: Museu do Futebol em São Paulo: paixão, história e entretenimento;
13) Destino Compartilhado: Museu Lasar Segall;
14) Entre Polos: Museu Nacional do Hermitage – São Petersburgo – Rússia;
15) Do RS para o Mundo: Centro Português de Fotografia – Porto/Portugal;
16) Mulher Casada Viaja: Exploratorium – Museu de São Francisco, Califórnia;
17) TurMundial: Museu do Picasso em Málaga, Barcelona e Antíbes;
18) Farrabadares: Memorial São Nikolai em Hamburgo;
19) Itinerário de Viagem: MET Museum em Nova Iorque;
20)Viajar hei: Museu Imperial – Petrópolis – Rio de Janeiro;
21) Sol de Barcelona: Museu Olímpico e do Esporte – Barcelona;
22) Família Viagem: Children’s Museum of Houston – Texas com crianças;
23) Viaje na Web: American Museum of Natural History – Museu de História Natural de Nova York;
24) Aquele Lugar: Museus do Vaticano – Roma – Itália;
25) Viagem LadoB: Ilha dos Museus – Berlim;
26) Viajento: Museo Santuarios Andinos – Arequipa, Peru;
27) MEL a Mil pelo Mundo; Museo de Ciências Naturais de Madrid;
28) Caixa de Viagens; Museu Charlie Chaplin: o Chaplin’s World em Vevey, Suíça;
29) Let’s Fly Away: Museu Botero, Bogotá, Colômbia;
30) Viajo com filhos: Nemo Science Museum, em Amsterdã, Holanda;
31) Sonhando em Viajar: Catetinho, em Brasília, Brasil;
32) Viajoteca: Batik na Indonésia: Museu Têxtil em Jakarta, Indonésia;
33) Comendo Chucrute e Salsicha: Museu de Arte Latino-Americana de Buenos Aires, Argentina;
34) 1001 Dicas de Viagem: Museu Histórico de Berna, Suíça;
35) Estrangeira: 8 Museus Imperdíveis em Barcelona, Espanha;
36) Devaneios de Biela: Museu Nacional da Finlândia em Helsinki;
37) ILoveTrip: Top 7 Museus em Brasília que você precisa conhecer;
38) Me Deixa Ser Turista: Conheça o Museu da Revolução, em Havana;
39) A Fragata Surprise: Museus de Florença – Guia de Sobrevivência;
40) A Vida é Como Um Livro: Galeria Nacional da Noruega;
41) Dedo no Mapa: Museu Paranaense;
42) Ligado em Viagem: Beco do Batman é museu de grafite e arte de rua em São Paulo

 

Nascido em Belém e radicado no Recife. Viaja por aí desde 2007, mas tem bem menos carimbos no passaporte do que gostaria. Já escreveu como freelance para publicações como Viagem e Turismo, Guia Amazônia Unibanco, Revista V, Revista Leal Moreira, Placar e Gazeta do Povo. Trabalha desde 2011 na Globo Nordeste. Além das viagens, tem como paixões o futebol, a música e o cinema.

30 Comments

    1. Pois é, e a história dos carros conta um pouco a história das sociedades tb. Obrigado pela visita! Volte sempre! 😀

    1. Também fiquei alucinado com a ideia da escola de restauração! Mas como só descobri na hora, não deu pra conhecer… Obrigado pela visita! Volte sempre! 😀

    1. Lá no museu tem Ferrari de todo tipo! Seu marido vai virar criança! heheheheh! Obrigado pela visita! Volte sempre! 😀

    1. É sempre bom a gente achar esses pretextos pra viajar, né? Tem tanta coisa em Turim que eu não vi… Voltaria fácil tb! Obrigado pela visita! Volte sempre! 😀

    1. No museu tem Fiats de diversas épocas, alguns com mais de 100 anos! É difícil não lembrar de pais que amam carros (quase todos amam, né? Hehehe). Obrigado pela visita! Volte sempre! 😀

  1. Hey!!! Sou louca para conhecer Torino e este museu é uma boa dica! Adoramos os seus textos Leonardo! Itinerário de Viagem é fã e adoramos o post!

    1. E bem pertinho ainda tem a matriz da Eataly! Então dá pra fazer uma visita ao museu e depois se acabar de tanto MANGIARE LA PASTA! 😀 obrigado pela visita! Tb sou fã do blog de vcs!

    1. O museu é sensacional até pra quem não é exatamente fanático por carros! E ainda dá pra combinar com uma visita à matriz da Eataly, que fica bem pertinho! Obrigado pela visita! Volte sempre! 😀

    1. Além desse museu incrível, Turim tem muitas outras coisas imperdíveis! História, gastronomia, futebol… Vale demais! Obrigado pela visita! Volte sempre! 😀

    1. É uma coleção fascinante! Até mesmo pra quem só reconhece o Fusca, hehehehe. Obrigado pela visita! Volte sempre! 😀

    1. É muito bacana mesmo! Os carros ajudam a contar a história da nossa sociedade contemporânea 🙂 obrigado pela visita! Volte sempre!

    1. É demais, né? Impossível não pensar nos pais loucos por carro (quase todos são, hehehe). Obrigado pela visita! Volte sempre! 😀

      1. Adorei! E pensar que estive em Turim no ano passado e não fui a esse museu… Acabei priorizando conhecer os palácios…

      2. Acontece! Eu estive em Turim e não conheci os palácios… hehehehe. No fim tudo vira pretexto pra gente voltar, né? Obrigado pela visita! Volte sempre! 😀

Deixe uma resposta