Sou um cara fácil para se apaixonar por cidades. Basta não me tratarem mal por pelo menos 24 horas, ter dois ou três pratos típicos para descobrir e um par de lugares para dar uma boa caminhada. Já é o suficiente para o mapa-múndi do meu coração ganhar uma nova capital. Mas com Lyon a paixão foi especial. A cidade me ofereceu um pacote de coisas que me deixaram um sentimento de pertencimento. Sabe quando você volta de um lugar desejando morar lá? Foi o que aconteceu comigo.

Janaína e eu passamos três dias em Lyon em fevereiro de 2017. Para ela, essa viagem tinha uma carga muito grande de memória afetiva. É que ela havia morado lá por um ano em 2006 para uma etapa do doutorado. Era a primeira vez que ela retornava depois disso. Para mim, era uma situação ganha-ganha: conhecer um lugar com um significado especial para a minha esposa e ainda adicionar uma cidade à minha coleção de viajante.

Janaína e eu na Place Bellecour, em Lyon

A vontade de conhecer Lyon aumentou quando entrevistei o Juninho Pernambucano sobre a cidade, para um post aqui do blog. Tudo o que ele falou confirmou o que a Janaína já tinha me dito: um lugar agradável, bom de viver, com uma gastronomia única e sem a muvuca de grandes destinos turísticos. Além disso, a cidade fica a poucas horas de trem de outros destinos que tínhamos pensado para as nossas férias, como Paris e Lyon.

Vou tentar fazer um breve guia de Lyon neste post e em outros dois: locomoção, atrações, gastronomia e etc. A ideia é facilitar a vida de quem já decidiu passar pela cidade ou seduzir quem ainda não cogitou conhecê-la. Espero que as dicas sirvam para todos!

 

Chegando a Lyon

Aeroporto de Lyon / Saint-Éxupery. Foto: Divulgação

As duas principais formas de chegar a Lyon são o avião e o trem. Se você voar até a cidade, vai desembarcar no Aeroporto de Saint-Exupéry, cujo nome homenageia o autor de “O Pequeno Príncipe”. O aeroporto fica um pouco afastado da cidade, a cerca de 30 km do centro. Caso você queira economizar o dinheiro do táxi, existe uma forma rápida, barata e segura para sair de lá: o trem Rhônexpress. A viagem até a estação Part-Dieu, no centro da cidade, leva cerca de 30 minutos.

Os primeiros trens saem às 4h25 da madrugada e os últimos, à meia-noite. Das 6h às 21h, eles saem a cada 15 minutos. Os bilhetes podem ser adquiridos na hora, mas a compra antecipada pela internet dá descontos. Adultos acima de 25 anos pagam € 14,70 na compra online (o preço no guichê é € 15,70). Quem tem entre 12 e 24 anos paga € 13,20. E crianças de até 12 anos não pagam.

Existem preços promocionais para compra de bilhetes de ida e volta. E para quem quer ir ao aeroporto, há também outras duas saídas: as estações Vaulx-en-Velin e Meyzieu. As informações completas você confere no site https://www.rhonexpress.fr

Chegando de trem

Mas como estamos falando de uma grande cidade europeia, são enormes as chances de você chegar a Lyon de trem. E se você vem de outro país ou mesmo de uma outra grande cidade francesa, é 99% certo que você desembarcará na estação Part-Dieu. Ela é uma espécie de confluência dos principais meios de transporte na cidade. Ela tem uma estação de trens intermunicipais e interestaduais, uma estação de metrô e várias paradas do tram (o bondinho elétrico).

Gare de Lyon – Part-Dieu. Foto: Divulgação

Chegamos a Lyon vindos de Paris, numa viagem de trem que leva pouco mais de 2 horas. De Lyon, fomos para Turim, que fica no meio do caminho até Milão. A viagem levou 3h50. Para comprar passagens de trem pela Europa, recomendo o site Rail Europe, que tem versão em português e funciona como um agregador das principais companhias ferroviárias do continente.

 

Transporte público

Tram de Lyon. Foto: Divulgação TCL

É um dos pontos fortes de Lyon. A cidade não é tão extensa como Paris e o mapa do transporte público não é tão povoado quanto o de Londres. Mesmo assim, você pode ir para praticamente qualquer lugar de metrô, tram ou ônibus. E todos são confortáveis e pontuais.

O primeiro passo para andar por aí em Lyon é procurar as máquinas de autoatendimento da TCL (Transports em Commun Lyonnais), a autarquia oficial do transporte público. Os bilhetes vendidos nas máquinas self-service servem para todos os modais: metrô, ônibus e tram. Elas têm opções de vários idiomas na tela (mas nada de português não) e vendem no cartão de crédito.

Máquinas como esta vendem os bilhetes do transporte. Foto: Leonardo Aquino

O bilhete unitário custa € 1,80. Mas o melhor custo-benefício está nos bilhetes diários de uso ilimitado. Eles custam € 5,60 para 24 horas, € 11 para 48h e € 15 para 72h. São bilhetes pequenos, como os unitários do metrô de São Paulo. Guarde com cuidado, longe do seu celular e de outros aparelhos que possam desmagnetizá-lo.

As máquinas estão disponíveis em todas as estações de metrô e em algumas de ônibus e tram. O site da TCL possui planejador de viagens, mapa das linhas e as tarifas completas: http://www.tcl.fr

 

 

Onde se hospedar

A região da Rue de la République, no 1º arrondissement, é um ótimo lugar para se hospedar. Foto: Leonardo Aquino

Assim como Paris, Lyon também é dividida em arrondissements (distritos, numa tradução livre). Quanto menor o número, mais perto ele é do centro da cidade. Há alguns bairros mais distantes que são bonitos e tranquilos, mas para uma primeira visita à cidade, não deixe de procurar a localização mais cêntrica. No 1º arrondissement, a região da prefeitura (Hôtel de Ville) é muito bem servida de atrações e transporte. No 2º, conhecido como Presqu’île (Quase Ilha, numa tradução livre), você também terá muita coisa para fazer e ver, além da facilidade de locomoção.

Janaína e eu nos hospedamos em um apartamento do Airbnb na Rue du Garêt, 1º arrondissement, a poucos metros da estação Hôtel de Ville do metrô e muito perto de vários pontos de ônibus. Além de ser uma rua cheia de bares, restaurantes e bouchons (que você vai conhecer melhor no post sobre gastronomia), fica a uma quadra da Rue de la République, um dos principais centros comerciais da cidade.

*** todos os preços citados neste post foram apurados em fevereiro de 2017. Para consultar se ainda são os mesmos, recomendamos que você consulte os sites listados ao longo do artigo.

 

Vamos continuar falando de Lyon em outros dois posts:

O que fazer em Lyon, com dicas de passeios e atrações da cidade

Lyon: uma cidade que vai te ganhar pelo estômago, com as dicas gastronômicas