Lanzarote não é minha terra, mas é terra minha”. Com essa frase, José Saramago definia sua relação com a mais fascinante das Ilhas Canárias. O escritor português, vencedor do Nobel de Literatura em 1998, viveu em Lanzarote por quase duas décadas, entre 1992 e 2010. A casa onde passou seus últimos 18 anos está aberta para visitação e é uma das atrações turísticas imperdíveis da ilha.

A Casa (assim mesmo em português, apesar de estarmos na Espanha) foi nossa programação no último dia em Lanzarote. Ela fica em Tías, a 5 quilômetros de Puerto del Carmen, onde estávamos hospedados. Pertíssimo. Chegamos 15 minutos antes das 10 da manhã, horário de abertura para os visitantes. O primeiro detalhe que me chamou a atenção foi a campainha, que ainda tem o nome de Saramago e o de Pilar Del Río, viúva do escritor.

Imagina ter esses vizinhos...

Imagina ter esses vizinhos…

Sem outros visitantes no mesmo horário, nosso tour foi efetivamente particular. O guia, que conhecia bastante da história e da política brasileira, estendeu a conversa e tornou o passeio ainda mais cheio de informação.

A casa, na verdade, tem duas casas. Uma era habitada por José e Pilar. A outra, por uma irmã de Pilar e o marido. As duas famílias pensaram juntas o projeto arquitetônico e eram muito unidas. O resultado está acessível a quem quer que visite a casa hoje: um lar repleto de memórias e afeto, que conta a história da vida de Saramago em objetos, fotos e obras de arte.

Galeria e escritório

O primeiro ambiente que visitamos foi a galeria, uma sala que abriga parte da coleção artística de Saramago. Entre pinturas, retratos e desenhos, há uma gravura de César Manrique (falamos dele neste outro post), o artista mais emblemático de Lanzarote. Numa dessas inacreditáveis coincidências da vida, Manrique e Saramago nunca se encontraram. Alguns dias antes do encontro agendado com o escritor, Manrique morreu num acidente de trânsito.

A mesa de trabalho de Saramago, como ele costumava deixar

A mesa de trabalho de Saramago, como ele costumava deixar

Em seguida, conhecemos o escritório onde Saramago trabalhou ao longo dos 18 anos que viveu em Lanzarote. As primeiras linhas de Ensaio Sobre A Cegueira foram escritas aqui.  A mesa simples de pinho tem as pernas mordidas pelos três cachorros que criava em casa (um deles se chamava Camões). Sobre ela, o último computador que usou. O ambiente está cercado de referências. Os discos e filmes favoritos. Retratos de escritores que o influenciaram, como Kafka, Proust e Tolstoi. Além disso, algumas obras de arte e fotos pessoais, como as que registram a cerimônia de entrega do Prêmio Nobel de Literatura.

 

O escritório

O escritório

Falando no Nobel, uma das obras que orna a parede do escritório tem uma relação direta com a premiação. É um desenho de um homem abraçado a uma árvore. Foi um presente de um professor de matemática espanhol, que estava ficando cego. Ele retratava o avô de Saramago, Jerônimo. Acabou sendo a inspiração para a abertura do discurso do português na cerimônia em que recebeu o Nobel: “o homem mais sábio que conheci em toda a minha vida não sabia ler nem escrever”.

No canto superior esquerdo, dá pra ver o desenho inspirado no avô de Saramago

No canto superior esquerdo, dá pra ver o desenho que retrata o avô de Saramago

A sala de estar e o amor entre Saramago e Pilar Del Río

Da sala de estar da casa, Saramago podia ver o mar de Lanzarote, ao qual chamava de “a melhor obra da ilha”. Nas paredes deste cômodo, há várias obras de arte inspiradas em livros escritos pelo português, como Memorial do Convento, A Jangada de Pedra e O Ano da Morte de Ricardo Reis. Além disso, um belo detalhe: os relógios que estão nesta sala e nos outros ambientes da casa estão todos marcando a mesma hora. Quatro da tarde. Saramago queria deixar registrada a hora em que conheceu sua esposa, Pilar.

Aliás, a história de amor dos dois rende grande parte da conversa da visita guiada à casa. Quando se conheceram, Saramago já era um escritor consagrado e Pilar, uma jornalista de TV, 28 mais jovem, que queria entrevistá-lo. A paixão foi instantânea e Pilar se tornou a grande musa e companheira de Saramago, pessoal e profissionalmente. Para mergulhar um pouco mais nesta linda história, procure o documentário José e Pilar, que é apontado como um dos melhores filmes portugueses dos últimos anos. Está à venda na lojinha da Casa.

O quarto e a cozinha

Passamos também pelo quarto onde Saramago dormia. A entrada é limitada, mas é possível prestar atenção em alguns detalhes, como os óculos deixados na cabeceira da cama. Foi neste quarto que Saramago morreu em 18 de junho de 2010. Tinha uma consulta médica marcada para esta data, mas a morte o levou antes, de forma natural e tranquila.

img_2706 img_2707

A cozinha talvez seja o cômodo mais emblemático da casa. Era onde Saramago costumava receber amigos de todas as partes do mundo e de várias origens: artistas, políticos, juízes, entre outros. Sentaram à mesa com o escritor português nomes que vão de Pedro Almodóvar a Susan Sontag, passando por Bernardo Bertolucci, Mário Soares e José Luís Rodriguez Zapatero. O Brasil também esteve lá: Sebastião Salgado e Chico Buarque gastaram vários dedos de prosa enquanto falavam de trabalho. Os três assinaram um livro chamado Terra, com fotos de Salgado e textos de Saramago e Chico.

Um hábito que o escritor tinha ao receber as visitas e que continua sendo estendido aos turistas que passam pela casa é o café português. A máquina continua ali e funcionando, brindando os visitantes com o sabor e o aroma que Saramago tanto amava.

O jardim nos fundos da casa era um lugar ao qual Saramago dedicava algumas horas de ócio. De lá, podia contemplar o mar de Lanzarote e curtir a sombra das árvores. Algumas delas mereciam carinho especial: as oliveiras portuguesas que vinham de Azinhaga, a cidade natal de Saramago. Árvores que faziam Saramago se lembrar de casa e que tinham um valor sentimental imensurável.

O jardim, com a parte de trás da casa ao fundo

O jardim, com a parte de trás da casa ao fundo

O lugar favorito de Saramago no jardim continua intacto

O lugar favorito de Saramago no jardim continua intacto

A biblioteca

O final da visita talvez seja o momento mais fascinante: a biblioteca de Saramago. O escritor costumava dizer que, nas prateleiras, ele não colecionava livros, e sim pessoas. Segundo ele, cada exemplar continha o autor e sua sensibilidade. Folhear os livros era uma forma de dizer aos escritores que eles não estão esquecidos. À parte disso, há as dedicatórias. E Saramago tinha algumas de respeito. Jorge Amado, Jorge Luís Borges, Mario Vargas Llosa e outros tantos contemporâneos e igualmente relevantes para a literatura do século 20.

A biblioteca

A biblioteca

A organização dos livros é peculiar. Os de literatura estão agrupados pelos países de origem. Os de filosofia, ensaios e memórias, pelos temas. E uma das prateleiras é organizada de uma forma sugerida por Pilar, que Saramago respeitou quase a contragosto. Os livros escritos por mulheres estão todos juntos, independentemente do tema. Segundo Pilar, muitas destas escritoras não eram consideradas ou respeitadas pelo simples fato de serem mulheres. Por isso, não mereciam dividir a estante com os homens.

Ao fundo, um retrato de Saramago e Pilar, feito pelo pintor tcheco Jiri Dokoupil

Ao fundo, um retrato de Saramago e Pilar, feito pelo pintor tcheco Jiri Dokoupil

A visita à casa de Saramago foi o desfecho perfeito para nossa estadia de quatro dias em Lanzarote. Uma imersão intensa sobre a vida e a obra de um homem que levou a literatura em língua portuguesa a um patamar que nunca tinha alcançado. Um artista que tinha uma visão cética e racional sobre o mundo, mas não por isso despida de sensibilidade. Ao nosso alcance, uma riquíssima coleção de memórias de inspiração, amor e sabedoria.

Dicas práticas

É um programa imperdível em Lanzarote, mas ao mesmo tempo fácil de perder. Isso porque o horário de funcionamento da casa é bem restrito: das 10h às 14h30. O último ingresso é às 13h30. E atenção: a casa é fechada aos domingos. Portanto, se for a Lanzarote, não deixe de se programar minuciosamente para este passeio.

Outras informações no site http://acasajosesaramago.com/pt-pt/

Todos os posts sobre as Ilhas Canárias